Vantagens e desvantagens da energia solar 

Vantagens e desvantagens da energia solar

Energia solar fotovoltaica é parceira da mobilidade urbana

 

Veículos Elétricos

Os avanços tecnológicos estão ganhando ainda mais força diante dos esforços globais para a redução de gases de efeito estufa. A energia solar e a mobilidade elétrica, por exemplo, são tendências sinergéticas para um Brasil sustentável.

Vantagens e desvantagens da energia solar 

A fonte fotovoltaica, por meio da GD (geração distribuída), vem se tornando uma aliada no crescimento do país, uma vez que a produção de energia por meio da radiação do sol contribui também para abastecer os eletropostos dos veículos elétricos.

A tecnologia para produzir eletricidade a partir de fonte renovável, sem poluir, dos carregadores elétricos e dos veículos sem emissão de poluentes é a aposta da vez. Veículos tanto para uso pessoal,quanto para o comercial ou setor publico.

Utilizar meios de transporte que não agridam o meio ambiente faz um enorme bem ao ser humano.

VANTAGENS DA ENERGIA SOLAR

A principal vantagem da energia solar é que ela é renovável pois o calor do sol ainda permanecera ativo durante alguns bilhões de anos. Assim sendo, toda produção de energia que conte com a utilização da radiação solar não terá preocupações quanto à sua finitude, ao contrario do que ocorre com outras fontes.

Outro fator positivo é que essa disponibilidade não requer nenhum tipo de adaptação, pois nas áreas de maior insolação, a energia solar esta sempre presente sem a necessidade da intervenção humana, ao contrario do que ocorre, por exemplo, com as hidroelétricas que são necessárias alterações relevantes nos leitos dos rios.

Soma-se a esse fato a disponibilidade gratuita do calor do sol, sem a necessidade de qualquer tipo de controle de suas fontes em caso de utilização.

Vantagens e desvantagens da energia solar

Além de tudo isso, a energia solar é considerada uma forma limpa de produzir energia. Isso não significa necessariamente que ela não gere impactos, mas pelo menos não emite poluentes na atmosfera. Por esse motivo sua utilização significa uma menor emissão de gases na atmosfera por outras fontes de energia.

Para a produção de energia solar, também não são necessárias grandes áreas e nem qualquer tipo de desmatamento, nem mesmo nas grandes usinas solares. Essas ultimas, no entanto precisam localizar-se em áreas afastadas por causa do grande calor gerado no ambiente ao seu redor.

Além disso, é possível produzir energia para lugares remotos. Por diversos motivos técnicos, a energia solar é, inclusive, bastante recomendada para a geração de energia para lugares distantes. A instalação de placas solares também pode auxiliar no abastecimento elétrico de pequenas vilas ou casas situadas em pontos isolados e com baixas densidades demográficas.

Por fim, destaca-se também a baixa necessidade de manutenção que a tecnologia da energia solar possui esta cada vez mais avançada. Em geral, a durabilidade dos equipamentos utilizados é elevada embora os custos de reposição das peças e materiais sejam altos em casos de problemas de funcionamento.

DESVANTAGEM

Dentre as desvantagens do uso da energia solar, pode-se destacar, o custo acentuado que a sua tecnologia possui, principalmente nas placas fotovoltaicas que contam com um nível mais avançado de complexidade. No entanto, com o tempo, a tendência e que tais custos sofram diminuições.

Vantagens e desvantagens da energia solar 

Hoje já existem varias fontes de financiamento para instalação do sistema, inclusive residencial.

Fontes:

www.comprasustentavel.com.br

https://brasilescola.uol.com.br – PENA,Rodolfo F.Alves

 

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 

Poupar energia é bom para todo mundo. Além disso, você diminui seus gastos com o orçamento, evita desperdícios e ainda cuida do futuro da vida no planeta. 

O que é eficiência energética? 

Qualquer atividade em uma sociedade moderna, certamente, só é possível com o uso de uma ou mais formas de energia. 

Dentre as diversas formas de energia interessam, em particular, aquelas que são processadas pela sociedade e colocadas a disposição dos consumidores onde e quando necessárias, tais como a eletricidade, a gasolina, o álcool, óleo diesel, gás natural, além de, carvão e outras. 

A energia é usada em aparelhos simples (lâmpadas e motores elétricos) ou em sistemas mais complexos que encerram diversos outros equipamentos (geladeira, automóvel ou uma fábrica). 

Estes equipamentos e sistemas transformam formas de energia, no entanto, uma parte dela sempre é perdida para o meio ambiente durante esse processo. 

Por exemplo: uma lâmpada transforma a eletricidade em luz e calor. Como o objetivo da lâmpada é iluminar, uma medida da sua eficiência é obtida dividindo a energia da luz pela energia elétrica usada pela lâmpada. 

Da mesma forma pode-se avaliar a eficiência de um automóvel dividindo a quantidade de energia que o veículo proporciona com o seu deslocamento pela que estava contida na gasolina originalmente. 

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 

Outra fonte de desperdício deriva do uso inadequado dos aparelhos e sistemas. Uma lâmpada acesa em uma sala sem ninguém também é um desperdício, pois a luz não serve ao seu propósito de iluminação. 

Também um veículo parado em um engarrafamento está usando mais energia do que a necessária, certamente, por conta do tempo que fica parado no congestionamento. 

Outros fatores mais sutis explicam muitos desperdícios. Um construtor barateia a construção não isolando o “boiler” e os canos de água quente, pois quem pagará pelo desperdício será o consumidor. 

Vale notar que esses efeitos se multiplicam à medida que a energia vai migrando por todos os setores da economia. 

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 

Por que se desperdiça energia? 

Uma lâmpada incandescente comum tem a eficiência de 8% (ou seja,8% da energia elétrica usada é transformada em luz e o restante aquece o meio ambiente). 

No entanto, a eficiência de uma lâmpada fluorescente compacta, que produz a mesma iluminação, é da ordem de 32%. 

Como o preço da lâmpada eficiente é entre 10 a 20 vezes mais caro do que a comum, a decisão de qual delas comprar dependera de fatores econômicos que consideram a vida útil de cada uma e a economia proporcionada na conta de luz. 

Os cálculos para tomar a decisão acima não são triviais, em outras palavras, exigem o domínio de ferramentas de matemática financeira desconhecidas pela maioria dos consumidores. 

A seleção de equipamentos e sistemas mais complexos pode ser mais difícil ainda, consequentemente, esta é a razão pela qual muitos consumidores usam inadequadamente todas as formas de energia. 

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 

Eficiência energética-sustentabilidade 

A eficiência energética é, acima de tudo, fundamental para a competitividade econômica e para o atendimento dos compromissos ambientais e sociais. 

Em vários países, os resultados alcançados recentemente tem sido relevantes, acima de tudo, devido à mobilização dos mais diversos agentes.  

No entanto, poderiam já ser bem mais expressivos, por exemplo, no Brasil, onde cerca de 2/3 da energia primaria requerida são dissipados ao longo das diferentes cadeias energéticas, desde as fontes primarias até a obtenção da energia útil. 

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 

A quantidade de energia dissipada em processos intermediários e que, deixa de constituir energia útil (calor, iluminação, movimento, processos industriais).

Isso mostra como são amplas as oportunidades para o aumento da eficiência, no entanto, não se limitam a ações junto aos consumidores.

Além disso, aos agentes  responsáveis pelas diversas etapas das cadeias energéticas.  

O aumento de eficiência constitui a maneira mais ambientalmente favorável e sustentável de atender parte expressiva da produção de bens e serviços requeridos pela sociedade 

O aumento da eficiência requer comunicação ampla e esclarecedora de, certamente, o porquê fazer e como fazer. 

Demanda, sinalizações tributarias e apoio financeiro especifico ,ou seja, considerando características positivas globais que exigem que o agente interessado tenha acesso a equipamentos eficientes e saiba utiliza-los de forma correta. 

No caso de órgãos de governo, é particularmente importante que sejam considerados nas aquisições e construções dos equipamentos, instalações e procedimentos energeticamente mais eficientes, da mesma forma, endossados formalmente por guias de consumo ou analises especificas de custo/benefício. 

 

Fontes: www.comprasustentavel.com.br 

www.inee.org.br /eficiência 

Cidade Inteligente

Cidade Inteligente

Crescimento Sustentável

Uma cidade inteligente (CI) é, acima de tudo uma área urbana que usa tipos diferentes de sensores eletrônicos da Internet das Coisas (IoT)para coletar dados e usá-los para gerenciar recursos e ativos eficientemente.

Ou seja, esses dispositivos são processados e analisados para monitorar e gerenciar sistemas de trafego e transporte, usinas de energia, redes de abastecimento de água, gerenciamento de saneamento básico, detecção de crimes, sistemas de informação, escolas, livrarias, hospitais, shoppings e diversos outros serviços para a comunidade.

Cidade Inteligente

Acima de tudo, o conceito de Cidade Inteligente integra a tecnologia da informação e comunicação (TIC), vários dispositivos físicos conectados à rede IoT para otimizar a eficiência das operações e serviços da cidade e conectar-se aos cidadãos.

A tecnologia da cidade inteligente permite que as autoridades da cidade interajam diretamente com a infraestrutura da comunidade e da cidade, podendo por exemplo, monitorar o que está acontecendo na cidade e como a cidade está evoluindo.

As tecnologias de informação e comunicação são usadas para melhorar a qualidade, desempenho e interatividade dos serviços urbanos, da mesma forma,  reduzir custos e consumo de recursos e aumentar o contato entre cidadãos e governo.

As cidades inteligentes podem ajudar tanto o poder público a reconhecer problemas em tempo real, quanto o cidadão a produzir informações, certamente, auxiliando a mapear, discutir e enfrentar essas dificuldades.

Uma CI pode, portanto, estar mais preparada para responder a desafios do que uma cidade com um simples relacionamento “passivo” com seus cidadãos.

*No entanto, o termo continua pouco claro para suas especificidades e, portanto, aberto a muitas interpretações.

Cidades pós-pandemia: incentivo a tecnologia

As principais mudanças tecnológicas, econômicas e ambientais geraram interesse em cidades inteligentes, além disso, mudança climática, reestruturação econômica, mudança para consumo por varejo e entretenimento on-line, populações envelhecidas, crescimento da população urbana e pressões nas finanças publicas.

Cidade Inteligente

Uma Cidade Inteligente usa Tecnologias da Informação e Comunicação para:

  1. Fazer uso eficiente de estrutura física da cidade: ruas, estradas, ambiente urbano, escolas, unidades de saúde, praças, IoT através da Inteligência Artificial, Big Data e Analise de Dados, para, por fim, retornar benefícios no desenvolvimento econômico, social e cultural
  2. Envolver-se efetivamente com a população local na governança e decisão local, usando processos abertos de inovação e participação eletrônica, então, melhorando a inteligência coletiva dos órgãos da cidade por meio da governança eletrônica, com ênfase na participação popular e cooperação do cidadão no desenvolvimento da cidade.
  3. Inteligência de Instrumentação: onde a infraestrutura da cidade é aperfeiçoada por meio da coleta de dados em tempo real, com analise e modelagem preditiva nos bairros da cidade, através da Inteligência Artificial.

Cidade Inteligente

Isso é implementado através de:

-uma infraestrutura de IP comum, aberta a pesquisadores para desenvolver aplicativos.

-sensores, medidores e dispositivos wireless transmitindo informações ao vivo

-varias residências recebem medidores inteligentes de energia para analisar o cosumo e reduzir o uso de energia

-compactadores de lixo movidos a energia solar, estações de carregamento de automóveis elétricos e lâmpadas que gastam menos energia

Alguns dos campos importantes a serem observados na consideração de uma Cidade Inteligente:

– Inovação em indústrias, bairros e distritos da cidade

-Mão de obra qualificada com educação e emprego para todos

-Qualidade do transporte público urbano

-Rede elétrica inteligente

-Proteção ambiental

-Qualidade de serviços de saúde

-Segurança publica

-Serviços administrativos públicos para a população

-Democracia participativa e direta

-Qualidade de vida populacional

Uma Cidade Inteligente

 

Fontes: www.comprasustentavel.com.br

www.wikipedia.org

Reciclagem e o Consumidor

Reciclagem e o Consumidor

A pandemia da Covid-19 provocou mudanças na economia, no trabalho e nos hábitos.

O distanciamento social transformou, certamente, a casa em escritório, escola e academia, e o cuidado com os resíduos gerados ganhou mais importância e visibilidade.

Como ficaram mais tempo em casa ou continuam em casa, as pessoas perceberam o quanto de lixo geram, o quanto de trabalho tiveram para o descarte, além disso, o desperdício promovem.

No inicio da pandemia, com menor circulação de pessoas, a geração de lixo nas cidades caiu em torno de 9% conforme, pesquisa da Abrelpe, Associação de Empresas de Limpeza Pública. Porem a quantidade de recicláveis coletados cresceu.

Com as pessoas de maior conhecimento técnico sobre a separação dos resíduos e conscientização de preservação ambiental,como resultado, temos um aumento a coleta seletiva.

No entanto, o aumento da coleta em volume e peso, a cadeia de reciclagem não se beneficiou em razão do fechamento ou diminuição das atividades das cooperativas e unidades de triagem de lixo.

A pandemia por suas características e aspectos inéditos surpreendeu a todos e geraram múltiplas novas situações.

Aumentou o volume de coleta seletiva, mas as cooperativas fecharam pela quarentena.

A reciclagem dos resíduos gerados pela sociedade depende fundamentalmente das atitudes dos consumidores.

O consumidor ao descartar de forma correta os resíduos, alem de gerar renda para as pessoas que dependem da coleta de materiais recicláveis, contribui de forma decisiva para o crescimento sustentável do planeta, com a proteção ambiental.

Porem o descarte correto dos resíduos exige conhecimentos e vontade de participar como cidadão do projeto de crescimento sustentável do planeta.

Reciclagem e o Consumidor

Vamos a um exemplo: como as embalagens cartonadas para alimentos e bebidas ditas “longa vida” podem ser recicladas?Desde a fabricação das caixinhas pela indústria existe a preocupação ambiental, tendo em grande parte da composição meterias-primas de fontes renováveis. Ao serem descartadas corretamente após o uso, são totalmente recicláveis.

Depende do consumidor o caminho que as embalagens pós-consumo terão.Sem o descarte correto elas acabam em lixões e aterros sem utilização para reciclagem.

Dificuldades:

No nosso exemplo, o descarte correto, das embalagens de leite, sucos e outros alimentos devem ser lavados com água de reuso se tiver, ou água existente, para retirar o excesso de material orgânico e evitar mau cheiro, já que elas percorrem um longo caminho até os recicladores.

Nas caixinhas longa vida, o próximo passo é abrir as abas laterais e deixa-las compactas. Isso fará com que o volume diminua. A tampa de plástico, se deixada na caixinha, e o canudinho, se empurrado para dentro, serão reciclados juntamente com a embalagem.

Feito isso, o material deve seguir para a coleta seletiva ou ser depositado em Pontos de Entrega Voluntaria.

Tem que estar conscientizado e ser esforçado

Nem todas as cidades possuem coleta seletiva para as residências, o que dificulta e muito a reciclagem.

Em muitos municípios, o descarte exige um esforço extra das pessoas, que tem de levar os resíduos até um ponto de coleta.

Porem existem vários matérias que não oferecem dificuldades extras para serem encaminhados para a coleta seletiva.

Reciclagem e o Consumidor

Reciclagem e o Consumidor

Obviamente que hoje se exige esforços e responsabilidades dos fabricantes dos produtos, na coleta, reuso e reciclagem das embalagens descartadas pelo consumidor.

Os produtores e comercializadores devem participar responsavelmente na redução, reuso, reciclagem e reintrodução na cadeia produtiva dos materiais provenientes dos resíduos dos consumidores.

Fazer reciclagem é fundamental para o crescimento sustentável

Reciclagem e o Consumidor

Seja um consumidor consciente

 

Fontes : www.comprasustentavel.com.br

www.estudio.folha.com.br

 

3 dicas de como descartar seu óleo corretamente

Um problema que sempre temos em casa é como descartar o óleo usado, portanto, hoje vamos ver 3 dicas de como descartar seu óleo corretamente

Infelizmente poucos sabem realmente como descartar o óleo corretamente, ou seja, acaba o despejando no ralo, na pia ou até mesmo no vaso sanitário.

Os impactos negativos ambientais são gigantescos como por exemplo:

  • Contaminação do solo
  • Entupimento da rede de esgoto
  • Poluição dos lençóis freáticos
  • Impermeabilização do solo
  • Proliferação de animais transmissores de doenças

Antes de decidir qual a melhor forma de descarte, devemos identificar o tipo de óleo que estamos lidando.

Podemos classificar os óleos em 4 grupos, são eles: Mineral, Sintético, Vegetal e Gordura animal, contudo, existem também subcategorias. Fique atento!

3 dicas de como descartar seu óleo corretamente

3 dicas de como descartar seu óleo corretamente

Filtre o óleo usado

Antes de armazenar o óleo para o descarte é fundamental que o mesmo seja filtrado, principalmente, se foi usado em frituras que deixam resíduo de alimentos.

Armazenamento

Nunca descarte o óleo na rede de esgoto, ou seja, pias, privadas e ralos.

Após filtrar, armazene-o em um recipiente limpo e com tampa, por exemplo, uma garrafa pet.

Com essa atitude você reduz os riscos de entupimento de tubulações e, consequentemente, conserva o óleo para que seja encaminhado para reciclagem.

Faça o descarte corretamente.

A coleta de lixo comum não dará um destino correto ao óleo descartado, portanto, não é uma opção sustentável.

Existem ONGs e empresas que recolhem ou recebem esse tipo de resíduo, porém, não existe um programa nacional para isso.

3 dicas de como descartar seu óleo corretamente
Foto: www.anchieta.es.gov.br

Em cada cidade existe uma maneira diferente de descarte, procure se informar na internet.

O CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) determina que as empresas recolham e destinem corretamente óleos e demais produtos químicos que possam causar danos ao meio ambiente fornecido por elas.

Somente troque o óleo do seu carro em oficinas sustentáveis, ou seja, que darão o destino correto ao resíduo descartado.

Com esses cuidados podemos a ajudar a diminuir o impacto desses resíduos a natureza.

Até mais pessoal, e semana que vem voltamos com mais matérias sustentáveis para você!

Recolhimento do Lixo Eletrônico

Recolhimento do Lixo Eletrônico

Decreto altera regras para recolhimento de lixo
eletrônico.

Foi publicado esta semana (15 de fevereiro de 20) o Decreto 10.240/2020, que estabelece as regras para a implementação do sistema de logística reversa para os produtos eletrônicos, portanto, sem desculpas.

O texto regulamenta o mecanismo previsto na Política Nacional de Resíduos Sólidos, sancionada em 2010, para que os fabricantes e importadores desses itens se responsabilizem pelo descarte no meio ambiente.

Pelo decreto, as empresas podem se associar e criar entidades gestoras que vão fazer o trabalho de divulgação e operação do sistema de logística reversa.

Cada companhia vai participar do financiamento na mesma proporção do tamanho dela no mercado, ou seja, quem suja mais contribui mais.

Há a possibilidade ainda das empresas criarem seus mecanismos de coleta de produtos de forma individual.

O decreto estipula que a constituição das entidades que vão fazer a gestão da logística reversa seja feita ainda este ano, até o dia 31 de dezembro.

Assim a partir de 2021, devem começar a serem instalados os pontos de coleta e a divulgação do sistema aos consumidores.

O sistema deve ser implantado até 2025,nos 400 maiores municípios do pais, entretanto, cronograma é gradativo.Em 2021,primeiro ano de funcionamento deve ser atendidas 24 cidades e absorvido 1% do lixo eletrônico.

São Paulo é o estado que devera ter maior participação, com oito dessas localidades, no primeiro ano, e 95 ao fim do calendário de consolidação.

A estimativa é que em cinco anos, 17% dos aparelhos sejam recolhidos.

As cidades deverão ter no mínimo, um ponto para cada 25 mil habitantes.

A previsão é que em 2025 existam cerca de 5 mil pontos de coleta no pais.Esses locais vão receber gratuitamente os aparelhos para serem descartados.

Leia também:

Recolhimento do Lixo Eletrônico

O que é lixo eletrônico?

Recolhimento do Lixo Eletrônico

O lixo eletrônico, também conhecido como e-lixo, é composto por produtos que não tem mais valor por falta de utilização,substituição
ou quebra. A categoria inclui “produtos da linha branca”, como refrigeradores, maquinas de lavar e micro-ondas, alem de aparelhos
eletrônicos como televisores, computadores, telefones celulares, tabletes, drones,assim como pilhas,baterias, cartuchos e toners.
O destino dos resíduos virou um desafio planetário. O Brasil é detentor do titulo de sétimo maior produtor de lixo eletrônico do mundo, ficando atrás de China, Estados Unidos, Japão, Índia, Alemanha e Reino Unido.

SOLUÇÃO

O governo brasileiro criou, em 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Segundo a lei, os fabricantes, distribuidores, comerciantes, consumidores e os titulares dos serviços públicos de limpeza devem tomar medidas para minimizar o volume de resíduos gerados e instituir uma cadeia de recolhimento e destinação ambientalmente adequada pós-consumo.

LOGÍSTICA REVERSA

O descarte de resíduos eletrônicos passou a ser um dos principais desafios ambientais enfrentados pelas empresas de tecnologia, por isso algumas marcas criaram formas de implementar a logística reversa.A proposta é diminuir o impacto do e-lixo ao realizar a analise e o desmonte desses resíduos.A fabricante ficaria responsável por separar os componentes,alem de garantir a destinação adequada de cada um deles,seja ao envia-los para a reciclagem,ao utiliza-los em novos produtos ou ao encaminha-los para aterros especiais.

Fontes:

www.comprasustentavel.com.br
www.conjur.com.br

Enchentes – Alagamentos

Enchentes – Alagamentos

O problema das enchentes passou a ser algo comum na vida das
pessoas de algumas cidades. Infelizmente, todo ano é a mesma coisa.

Mas por que as enchentes ocorrem? É possível combatê-las?

A interferência humana sobre os cursos d’água, provocando enchentes e inundações, ocorre das mais diversas formas.

Em casos extremos, porem menos comuns, tais situações podem estar relacionadas com rompimentos de diques e barragens, o que pode causar sérios danos à sociedade.

Mas, quase sempre, essa questão esta ligada ao mau uso do espaço urbano.

Cidades sem planejamento urbano e crescimento acelerado e desordenado.

Um problema que parece não ter uma solução rápida é o elevado índice de poluição, causado tanto pela ausência de consciência por parte da população quanto por sistemas ineficientes de coleta de lixo ou de distribuição de lixeiras pela cidade.

Alem do mais, há problemas causados pela poluição gerada por empresas e outros órgãos, consequentemente, ocorre o entupimento dos bueiros.

Alem disso, o lixo gerado é levado pelas enxurradas e contribui ainda mais para elevar o volume dos córregos e rios.

Outra questão é a ocupação irregular ou desordenada do espaço geográfico. Ocupam-se áreas do leito expandido dos rios, por ausência de planejamento ou fatores econômicos, mesmo assim, prédios e conjuntos residenciais são construídos em áreas que seriam da proteção da drenagem da cidade.

Enchentes – Alagamentos

Enchentes - Alagamentos

A remoção da vegetação que compõe o entorno do rio pode intensificar o processo de erosão e diminuem a retenção dos sedimentos que vão para o leito, ou seja, aumentam o nível das águas.

Apesar de todos os problemas mencionados, a causa considerada principal para as enchentes é, sem duvida, a impermeabilização do solo.

Com a pavimentação das ruas e a cimentação de quintais e calçadas, a maior parte da água, que deveria infiltrar no solo, escorre na superfície, provocando o aumento do volume das enxurradas e a elevação dos rios, alem disso, a impermeabilização contribui para aumentar a velocidade desse escoamento, provocando erosões e causando outros tipos de desastres ambientais urbanos.

Fator importante nas enchentes urbanas é o volume de chuva pelo tempo de duração em uma região.

Leia também:

EXEMPLO: Cidade de SÃO PAULO

A chuva forte que atingiu São Paulo a partir do fim da tarde de domingo (9) provocou destruição e caos, em consequência, a tempestade fez os rios Tietê e Pinheiros transbordarem, causaram dezenas de alagamentos, deslizamentos e travou a cidade.

O volume de água registrado no intervalo de 24 horas foi o maior para um mês de fevereiro em 37 anos, informou o Instituto Nacional
de Meteorologia.

Segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências da Prefeitura SP) em dez dias já choveu cerca de 208 mm,o que equivale a 96% da media esperada para o mês inteiro de fevereiro.

Apenas entre 7h e às 13h da segunda, choveu o volume de 88,7mm na cidade.

São Paulo chegou ter 161 pontos de alagamento ao longo da segunda-feira

Os bombeiros registraram 1018 acionamentos por enchentes na Grande São Paulo, com 182 desabamentos e 206 quedas de arvores.

# O governo e a prefeitura de São Paulo responsabilizaram a chuva excessiva pelos inúmeros transtornos.

Como se mede a quantidade de chuva?

Cada milímetro de precipitação ou chuva significa que, em uma área de 1 m²,caiu 1 litro de água.
Das 7h às 13h: 88,7 mm, ou seja, 88,7 litros de água em 1 metro quadrado de área.

Enchentes - Alagamentos

 

Enchentes – Alagamentos

Fontes:

www.comprasustentavel.com.br
www.brasilescola.uol.com.br

Poluição do Ar

Poluição do Ar

Poluição do ar é a introdução de qualquer substancia que, devido a
sua concentração, possa tornar nociva à saúde e ao meio ambiente.

A poluição atmosférica pode ser definida como qualquer forma de matéria ou energia com intensidade, concentração, tempo ou características, ou seja,  que possam tornar o ar impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde, inconveniente ao bem-estar publico, danoso aos materiais, à fauna e à flora ou prejudicial à segurança, ao uso e gozo da propriedade e à qualidade de vida da comunidade.

De uma forma geral, a qualidade do ar é produto da interação de um complexo conjunto de fatores, por exemplo, destacam-se a magnitude das emissões,a topografia e as condições meteorológicas da região,favoráveis ou não a dispersão dos poluentes.

Poluição Atmosférica, refere-se á contaminação do ar , ou seja, por gases, líquidos e partículas solidas em suspensão, material biológico e até mesmo energia.

Poluição do Ar

PERIGO:

De acordo com um estudo da Organização Mundial de Saúde de 2014, a poluição do ar causou a morte de mais de 7 milhões de pessoas no mundo em 2012, como resultado, matau mais que a AIDS e malaria juntas.

Principais poluentes atmosféricos

  • Monóxido de Carbono (CO):
    Um gás incolor, inodoro e tóxico. Produzido principalmente pela queima não completa de combustível, ou seja, ele causa interferência no transporte do oxigênio no nosso corpo, podendo causar asfixia e morte.
  • Dióxido de Carbono (CO2):
    É uma substancia fundamental para os seres vivos. Os vegetais utilizam o dióxido de carbono para realizar sua fotossíntese, processo no qual eles usam a energia solar e o CO2 para produzir energia, entretanto, o gás é produzido no processo de respiração celular, mais possui outras fontes, que são causa de boa parte da poluição do ar, como o processo de decomposição e a queima de combustíveis fósseis. Esse gás é muito perigo devido ao fato do CO2 absorver parte da radiação emitida pela superfície da terra,retendo o calor, portanto, resultando em um aumento da temperatura da terra.
  • Clorofluorcarbonetos (CFCs):
    Costumavam ser emitidos a partir de produtos como aparelhos, como por exemplo, ar condicionado, refrigeradores, sprays de aerossol, porem, atualmente, esses compostos estão banidos em quase todo o mundo.
    Quando em contato com outros gases, os CFCs causam danos a camada de ozônio, portanto, sendo os grandes responsáveis pelo seu buraco,permitindo assim que os raios ultravioletas alcancem a superfície da Terra,causando problemas como câncer de pele.
  • Óxidos de Enxofre (SOx):
    O mais nocivo é o dióxido de enxofre (SO2), é produzido, por exemplo, em diversos processos industriais e por atividades vulcânicas, resumindo, quando na atmosfera, o dióxido de enxofre forma ao acido sulfuroso, causando a chuva ácida.
  • Óxidos de Nitrogênio (NOx):
    Em especial o dióxido de nitrogênio (NO2) , acima de tudo, é um grande fator de poluição do ar. Esses óxidos são gases altamente reativos, formados durante a combustão pela ação microbiológica ou por raios.

Poluição do Ar

  • Compostos Orgânicos Voláteis (COVs):
    Esses elementos que integram a poluição do ar são químicos orgânicos emitidos por varias fontes, por exemplo, a queima de  combustível fóssil, atividades industriais e emissões naturais da vegetação e de queimadas. Alguns COVs de origem antropogênica, como por exemplo, o benzeno, são poluentes cancerígenos. O metano é um composto orgânico volátil que contribui para o efeito estufa e é cerca de 20 vezes mais potente que o monóxido de carbono, ou seja, veneno puro.
  • Amônia (NH3):
    Emitida principalmente pela agricultura devido ao uso de fertilizantes.
  • Material Particulado (MP):
    São partículas finas de sólidos ou líquidos suspensos, por exemplo, a ação humana produz MP em atividades industriais, mineração e combustão de combustíveis fósseis. Na atmosfera, esse material causa danos à saúde. Problemas respiratórios e do coração.

Causas da poluição do ar

Fontes naturais:

  • Poeira de fontes naturais, como as de áreas desérticas.
  • Metano emitido no processo de digestão dos animais. Criação de gados.
  • Fumaça e monóxido de carbono emitido nas queimas naturais.
  • Atividade vulcânica, que emite diversos poluentes.
  • Atividade micológica nos oceanos, liberando gases sulfurosos.
  • Decaimento radioativo dos minerais (rochas).
  • Emissões por plantas de compostos orgânicos voláteis.
  • Decomposição de matéria orgânica.

Fontes antropogênicas (causadas pelo homem):

  • Fábricas, usinas de energia, incineradores, fornalhas e outras fontes.
  • Veículos automotores, como carros, motos, caminhões e aviões. O transporte contribui com cerca de metade das emissões de monóxido de carbono e oxido de nitrogênio.
  • Queimadas controladas na agricultura e no gerenciamento de florestas. No Brasil, essa pratica é responsável por cerca de 75% das emissões de gás carbônico.
  • Aerossóis, tinta, spray de cabelo e outros solventes.
  • Decomposição dos resíduos orgânicos (lixo) que gera metano.
  • Emissão de amônia pelo uso de fertilizantes.
  • Atividade mineradora.
Leia também:

 

Efeitos da poluição do ar

A poluição do ar causa um enorme impacto em dois grandes âmbitos:

# na saúde humana
# no meio ambiente

Entre os principais efeitos na saúde humana

  • Irritação na garganta, nariz e olhos;
  • Dificuldade de respiração;
  • Tosse;
  • Desenvolvimento de problemas respiratórios;
  • Agravamento de problemas cardíacos ou respiratórios, como a asma;
  • Aumento de chance de ataques cardíacos;
  • desenvolvimento de diversos tipos de câncer;
  • Danos ao sistema imunológico;
  • Danos ao sistema reprodutivo.

Poluição do Ar

Fontes:

www.comprasustentavel.com.br
www.mma.gov.br
www.cetesb.sp.gov.br
www.ecycle.com.br

Cidades Sustentáveis – Brasil

Cidades Sustentáveis – Brasil

ÁREAS CONTAMINADAS

A correta destinação dos resíduos sólidos é condição primordial para uma cidade sustentável.

Cidades Sustentáveis - Brasil

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) trouxe importantes instrumentos para que municípios de todo o Brasil iniciassem o enfrentamento aos principais problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado dos residos sólidos. PNRS tem como pilar o principio da responsabilidade compartilhada. Isso significa que indústrias, distribuidores e varejistas, prefeituras e consumidores são todos responsáveis pelos resíduos sólidos e cada um terá de contribuir para que eles tenham uma disposição final adequada.

Buscar um melhor ordenamento do ambiente urbano primando pela qualidade de vida da população é trabalhar por uma cidade sustentável. Melhorar a mobilidade urbana, a poluição sonora e atmosférica, o descarte de resíduos sólidos, eficiência energética, economia de água, entre outros aspectos, contribuem para tornar uma cidade sustentável.

Um dos problemas: ÁREAS CONTAMINADAS

Entende-se área contaminada como sendo área, terreno, local, instalação, edificação ou benfeitoria que contenha quantidades ou concentrações de quaisquer substancias ou resíduos em condições que causem ou possam causar danos à saúde humana, ao meio ambiente ou a outro bem a proteger, que nela tenham sido
depositados, acumulados, armazenados, enterrados ou infiltrados de forma planejada, acidental ou até mesmo natural.

Nessa área, os poluentes ou contaminantes podem concentrar-se em subsuperficie nos diferentes compartimentos do ambiente, como por exemplo, no solo, nos sedimentos, nas rochas, nos materiais utilizados para aterrar os terrenos, nas águas subterrâneas, ou de uma forma geral, nas zonas não saturada e saturada, alem de  poderem concentrar-se nas paredes, nos pisos e nas estruturas de construções.

Os contaminantes podem ser transportados a partir desses meios, propagando-se por diferentes vias, como o ar, o solo, as águas subterrâneas e superficiais, alterando suas características naturais de qualidade e determinando impactos e/ou riscos sobre bens a proteger ,localizados na própria área ou em seus arredores.As vias de contaminação dos contaminantes para os diferentes meios podem ser a lixiviação do solo para a água subterrânea,absorção e adsorção dos contaminantes nas raízes de plantas,verduras e legumes,escoamento superficial para a água superficial,inalação de vapores,contato dermal com o solo e ingestão do mesmo por seres humanos e animais.

Leia também:

 

Cidades Sustentáveis – Brasil

Áreas contaminadas urbanas, como lixões, terrenos baldios com lixo, postos de gasolina com vazamentos, descartes irregulares de lâmpadas, pilhas, baterias, aterros sanitários em processo de encerramento, podem causar riscos a saúde humana e desvalorizar financeiramente os imóveis vizinhos.

O processo de identificação de uma área contaminada envolve uma avaliação preliminar, investigação confirmatória, investigação detalhada, avaliação de risco e ações para reabilitação da área, até as concentrações das substancias detectadas atingirem níveis aceitáveis para uso.

Para definir concretamente as ações de reabilitação, é de suma importância ter-se conhecido o cenário local, a extensão da contaminação e se as vias de contaminação existem. As opções para reuso da área devem considerar o tamanho da mesma, proximidade da população vizinha, necessidades e desejos da população vizinha, vias de acesso, zoneamento do local ao redor da área, contaminação da área e metas de remediação.

Áreas contaminadas urbanas, como lixões e aterros sanitários em processo de encerramento, como exemplo, podem ter usos futuros como parques, campos de futebol, campos de golfe, praças, áreas verdes ou áreas recreacionais diversas.

Para se ter um uso futuro seguro,as ações de intervenção na área podem contemplar a impermeabilização da área,instalação de barreiras hidráulicas,instalação de drenos para gases e líquidos,sistema de bombeamento e tratamento da água e  chorume,bem como manter a população que usa a área reabilitada informada sobre a situação ambiental da contaminação. Dentre as técnicas de remediação existentes, para garantir a compatibilização do uso futuro da área com contaminação existente, destacam-se o tratamento térmico, solidificação, estabilização, biorremediação, transformação química e atenuação natural.

 

Cidades Sustentáveis – Brasil

Fontes:

www.mma.gov.br
www.comprasustentavel.com.br