SARAMPO

Vá de vacina contra o sarampo.

SARAMPO

Como é a doença?

É grave, contagiosa e pode ser transmitida por meio do contato direto com a secreção da pessoa infectada ou pelo ar.

Quais são os sintomas?

Febre alta, dor de cabeça, tosse, coriza, manchas avermelhadas na pele e manchas brancas na boca são alguns deles.

 

Prefeitura convoca a cidade de São Paulo para enfrentar o sarampo.

A prefeitura de São Paulo quer mobilizar a população e organizações da cidade para a campanha de vacinação contra o sarampo. Segundo as autoridades de saúde a capital paulista precisa vacinar todas as pessoas com idade entre 15 e 29 anos para barrar com eficiência o avanço da doença, uma população estimada em 2,9 milhões. Para imunizar esta multidão de jovens, não basta o empenho dos profissionais de Saúde. Toda a sociedade precisa se mobilizar contra a doença, que pode ter serias complicações respiratórias e neurológicas e ate mesmo levar a morte.

A vacina é segura e eficaz contra a doença.

O avanço da doença é um fenômeno global. A Organização Mundial de Saúde identificou surtos de sarampo em 170 países desde 2017. Este ano, o numero de casos da doença cresceu, no mundo todo, registrando um aumento de 300% na comparação com 2018. A cidade de Nova Iorque chegou a entrar em alerta por causa da doença.

Em 2018, na campanha nacional de vacinação especifica para crianças de 1 a 4 anos, a cidade de São Paulo ultrapassou a meta de vacinação de 95% garantindo uma forte barreira contra o sarampo com 567.824 doses aplicadas. Em 2019, um numero maior do que a totalidade das crianças nascidas no município tomaram a dose indicada com 1 ano de idade.

Os primeiros casos na cidade de São Paulo surgiram a partir de fevereiro, importados da Noruega, Malta e Israel, Desde então a COVISA já fez 1.185 ações de bloqueio vacinal com aplicação de 48.655 doses de vacina em ações seletivas, nos locais por onde as pessoas com suspeita de sarampo circularam.

Leia também:

SARAMPO

Hoje a cidade tem 363 casos confirmados.

Uma pessoa com sarampo pode contaminar outras 18, o que exige uma investigação minuciosa de cada suspeito para mapear seus movimentos ate seis dias antes do aparecimento dos sintomas. Por isso, os bloqueios do vírus, com vacinação porta a porta, ocorrem na vizinhança da residência, locais de trabalho, estudo e espaços onde o paciente transitou no período de transmissão da doença.

A prefeitura quer que as pessoas e organizações da cidade se envolvam mais diretamente no enfrentamento ao sarampo. Participar não é apenas ter a idade certa e se vacinar, as pessoas precisam alertar amigos e parentes sobre o problema para que se convençam a tomar a vacina.

As empresas e organizações podem ter uma participação muito relevante ao estimular funcionários e colaboradores. Podem, também, abrir as porta para a campanha de vacinação. Levar a campanha para dentro das escolas e universidades também vai aproximar as pessoas da proteção que precisam

A Secretaria Municipal de Saúde promoveu a capacitação de 900 profissionais no manejo clinico especifico do sarampo que abrange desde a identificação dos sintomas, orientações para o diagnostico e tratamento da doença. Estes profissionais voltaram para suas unidades e agem como multiplicadores destas praticas e ações.

No ultimo dia 10 de julho a vacinação passou a ser indicada para todas as pessoas de 15 a 29 anos, independente de já terem sido vacinadas.

Onde se vacinar?

SARAMPO

Desde quarta-feira (17), doses da vacina têm sido disponibilizadas em postos volantes instalados em estações do Metrô, CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo), ViaQuatro e ViaMobilidade. A programação é divulgada semanalmente pelas secretarias e pode ser consultada aqui.

Ou no site: http://www.portaldenoticias.saude.sp.gov.br/calendario-postos-de-vacinacao-contra-o-sarampo-nas-estacoes-de-metro-cptm-emtu-e-estradas/

A campanha deve se estender ate 16 de agosto

 

VÁ DE VACINA CONTRA O SARAMPO.

Coca Cola de Maconha

Coca Cola de Maconha
A maior empresa de bebidas do mundo pode ser a próxima gigante do setor a entrar no mercado de bebidas com maconha.

A Coca-Cola Co. diz que esta monitorando a industria nascente e esta interessada em bebidas em infusão com CBD(canabidiol)-ingrediente não psicoativo da maconha que trata a dor,mas não da barato.

A fabricante de refrigerantes com sede em Atlanta esta em negociações com a produtora de maconha canadense Aurora Cannabis para desenvolver as bebidas, segundo reportagem da BNN Bloomberg Television.

 

“Estamos acompanhando atentamente a expansão da CBD não psicoativa como ingrediente em bebidas em bebidas funcionais para o bem-estar, em todo o mundo”, disse Kent Landers, porta-voz da Coca-Cola, em comunicado enviado por e-mail à Bloomberg News.”O espaço esta evoluindo rapidamente,nenhuma decisão foi tomada até agora”

A possível incursão da Coca-Cola no setor de maconha se deve ao fato de que as fabricantes de bebidas estão tentando adiciona-la como um ingrediente de moda, enquanto seus negócios tradicionais desaceleram.

 

No mês passado, a cerveja Corona da Constellation Brands Inc. anunciou que ira gastar US$3,8 bilhões para aumentar sua participação na Canopy Growth Corp., o produtor canadense de maconha com um valor que supera os US$ 10 bilhões

 

A Diageo,fabricante da cerveja Guinness,esta em negociações com pelo menos três produtores canadenses de maconha sobre um possível acordo,informou o BNN Bloomberg no mês passado.

 

A divisão de cervejas artesanais Lagunitas da Heineken, lançou uma marca especializada em bebidas não alcoólicas com infusão de THC, o ingrediente ativo da maconha.

A Coca-Cola já esta diversificando, uma vez que o consumo do refrigerante continua em declínio. A empresa com suas marcas icônicas que variam de Coca-Cola e Sprite a Powerade, anunciou que ira adquirir a cadeia Costa Coffee por US$5,1 bilhões em agosto, e expandiu-se para outros produtos,inclusive suco,chá e água mineral ao longo da ultima década.

As discussões com a Aurora são focadas em bebidas de infusão com CBD para aliviar a inflamação, dores e cólicas.

Embora a maconha permaneça ilegal em nível nacional nos EUA, há uma aceitação crescente do uso de CBD da maconha para tratar sintomas que vão desde dor crônica até ansiedade e epilepsia.

A Aurora é a terceira maior empresa de maconha do Canadá. O país se prepara para se tornar o primeiro do G7 a legalizar a maconha.

 

Leia também:

Orientações sobre importação de Canabidiol

Publicadas novas regras para suplementos alimentares

 

Coca Cola de Maconha

No Uruguai, empresa cria “chimarrão de maconha”

O Uruguai foi o primeiro país da America do Sul a liberar a maconha, em 2013, como parte de uma política para reduzir os índices de violência com o narcotráfico.

Anos depois de a nova lei estar em vigor, uma empresa local resolveu unir a erva liberada com uma já tradicionalmente consumida no país: o mate. O consumo da erva-mate muito quente por meio de uma cuia, muito semelhante ao nosso chimarrão.

Desde a liberação, a empresa BCBD Medicinal vem trabalhando para conseguir uma biomassa com alta concentração de canabidiol, o componente medicinal da maconha.

Diferente do consumo recreativo da maconha, esta mistura não tem efeito psicoativo. De acordo com os criadores, o novo produto tem um efeito relaxante, ao contrario das ervas tradicionais que são ricas em mateina e cafeína.

A companhia já recebe pedidos pela erva-mate “aditivada” de diversos países, como Israel, Espanha e Alemanha.

 

Fonte: BLOOMBERG
Tradução Claudia Bozzo – Estadão

Orientações sobre importação de Canabidiol

Orientações sobre importação de Canabidiol.
A ANVISA identificou nos últimos dias reclamações de usuários de Canabidiol que não estão conseguindo receber o produto importado de forma regular. De acordo com a apuração da Agência, a empresa exportadora do produto optou por uma transportadora que não possui cobertura em todas as localidades no Brasil.Isso impede que a entrega seja feita de forma garantida e segura para cada um dos pacientes que necessitam do produto. Essa falta de cobertura para entrega ao consumidor prejudica o paciente final, pois abre espaço para o extravio, desvio e a perda de qualidade do produto importado.

 

Paciente- o que fazer?

Em caso de duvidas sobre o andamento de processos para importação de produtos a base de canabidiol,entre em contato com a ANVISA por meio dos Canais de atendimento disponíveis em http://portal.anvisa.gov.br/contato

 

6 mil pacientes desde 2015

A importação de produtos à base de canabidiol vem acontecendo regularmente nos termos da RDC 17de 2015. Desde então, quase seis mil pacientes tiveram autorização para importar o canabidiol, seguindo procedimentos técnicos para que cada paciente receba em sua casa o produto vindo do exterior.

De acordo com a RDC 17/2015,os produtos à base de canabidiol a serem importados somente podem se destinar a pessoas físicas,para tratamento de saúde,devendo,portanto, serem entregues diretamente a cada usuário.

 

Entrega direta

A modalidade de importação remessa expressa foi autorizada, exatamente por se caracterizar pelo serviço de entrega “porta a porta”, o que permite o acesso e direciona ao atendimento direto do paciente.

 

Diferença com a maconha

O canabidiol (CBD) é um dos 80 canabinoides presentes na planta cannabis sativa e não produz os efeitos psicoativos típicos da planta. Ou seja, não se pode confundir o uso medicinal de “canabinoides” com o uso do produto in natura.

Apesar da liberação do uso do canabidiol no País, o Conselho Federal de Medicina, reitera sua posição contraria sobre a descriminalização e a legalização das “cannabis” indica e ativa” e seu consumo “recreativo”

Esta posição esta alinhada com a postura da autarquia com relação às políticas de combate ao tabagismo e alcoolismo e ao seu compromisso com a defesa do bem-estar de todos

-resolução CFM nº2113/14

 

Leia também:

Publicadas novas regras para suplementos alimentares

Vacinação, uma obrigação importante 

 

Orientações sobre importação de Canabidiol

-Quais são as etapas necessárias para fazer o seu pedido?

  1. Consulta medica e prescrição
  2. Cadastramento do paciente na ANVISA
  3. Analise do pedido por parte da ANVISA
  4. Autorização para importação por parte da ANVISA
  5. Aquisição e importação do produto
  6. Fiscalização e liberação na importação pela ANVISA

Consulta medica e prescrição

– Precisa consultar um medico?

Sim, o medico é o profissional responsável por examinar o paciente e prescrever o uso de produto à base de canabidiol com base no quadro clinico e outros tratamentos já testados.

 

-Precisa de prescrição medica?

Sim. A prescrição medica (receita) é um dos documentos obrigatórios, tanto para o cadastramento do paciente quanto para a liberação das importações. Alem da prescrição, também é obrigatória a apresentação do laudo medico.

 

Quais são as informações que devem constar na receita ?

A receita deve ser legível e conter OBRIGATORIAMENTE:

-nome do paciente

-nome comercial do produto

-posologia (dose diária especificando como; gramas, gotas, capsulas)

-quantitativo necessário e tempo de tratamento

-data, assinatura,carimbo e numero de registro no conselho de classe

 

Quais são as informações que devem constar no laudo medico?

O laudo médico deve estar com letra legível e OBRIGATORIAMENTE:

-nome do paciente

-descrição do caso

-nome da doença e CID

-justificativa para a utilização de produto a base de canabidiol

-tratamentos anteriores

-data,assinatura,carimbo e numero de registro no conselho de classe

 

O uso compassivo do canabidiol (CBD) foi autorizado pelo

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

Vacinação, uma obrigação importante 

Vacinação, uma obrigação importante. Nunca de nenhum medicamento ao seus filhos sem procurar um médico e ler a respeito, nem sempre a vacina oferecida no posto de saúde é o melhor medicamento no mercado. Fique atento, não se deixe enganar, saiba o que nossas crianças estão tomando.

Em outros países o número de vacinas cai pela metade e não se aceitam vacinas não testadas adequadamente.

Leia também:
MEDICAMENTO GENÉRICO
Perigo a vista ?  Pacote do Veneno! (AGROTÓXICO)

Contra a POLIOMIELITE e o SARAMPO

-De 6 a 31 de AGOSTO nas unidades de saúde publica

Quem deve ser vacinado?

  • Contra a poliomielite: crianças de 1 até 5 anos independentemente de quantas doses já tomou.Em casos de nenhuma dose,será aplicada a Vacina Inativada Poliomielite.Em caso de uma ou mais doses,será aplicada a Vacina Oral Poliomielite, a famosa “gotinha”
  • Contra o sarampo: crianças de 1até 5 anos independentemente de quantas doses já tomou.
  • Não devem ser vacinadas: crianças de 1 até 5 anos que tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias.

 

SOBRE AS DOENÇAS

O que é a poliomielite?

A poliomielite é uma doença infecciosa grave que pode causar paralisia permanente em determinados músculos e que, geralmente, afeta crianças, mas também pode surgir em idosos e adultos com o sistema imune enfraquecido. Os primeiros sintomas da poliomielite geralmente incluem dor de garganta, fadiga excessiva, dor de cabeça e febre, podendo ser facilmente confundida com uma gripe.

O que é o sarampo?

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave transmissível e extremamente contagiosa. Os sintomas são:febre alta,acima de 38,5 °C,erupção e vermelhidão na pele,tosse,coriza,conjuntivite e manchas brancas que aparecem na mucosa bucal,conhecida como sinal de koplik,que surgem de 1 a 2 dias antes do aparecimento das erupções na pele.

Em relação ao sarampo, todas as crianças receberão uma dose da vacina Tríplice Viral que também protege contra caxumba e rubéola, seja qual for a situação vacinal, desde que não tenham sido vacinadas nos últimos trinta dias.

 

Vacinação, uma obrigação importante

MITOS E VERDADES SOBRE A VACINAÇÃO

MITOS

  1. As doenças evitáveis por vacinas estão quase erradicadas em meu país, por isso não há razão para vacinar.

    Embora as doenças evitáveis por vacinação tenham se tornado raras em muitos países, os agentes infecciosos que as causam continuam em circulação em algumas partes do mundo. Em um mundo altamente interligado, esses agentes podem atravessar barreiras geográficas e infectar qualquer pessoa que não esteja protegida.

  2. Doenças infantis evitáveis por vacinas são apenas infelizes fatos da vida.

    As doenças evitáveis por vacinas não tem que ser “fatos da vida”. A vacinação é uma medida que vem sendo adotados pelos países muitos anos e tem sido responsável pelo controle, eliminação e erradicação de varias enfermidades, como o sarampo, poliomielite, varíola e rubéola.

VERDADE

  1. Há efeitos colaterais da vacinação em bebes e crianças.

    As vacinas,assim como qualquer medicamento,apesar de serem muito seguras, podem, causar eventos adversos,que podem ocorrer em qualquer idade.Eventuais reações,como febre,vermelhidão e dor local,podem ocorrer após a administração de uma vacina,sendo raros os eventos graves.

 

Quanto mais cedo for iniciada a vacinação na infância,mais cedo as crianças ficarão protegidas.As crianças pequenas são as mais suscetíveis às doenças,uma vez que suas defesas imunológicas ainda não estão bem formadas

 

Campanha Nacional de Mobilização

A campanha nacional vai até o final do mês e trata-se de uma campanha de mobilização, já que a vacina contra o sarampo fica disponível o ano inteiro nos postos de saúde da rede publica. No dia 18 de agosto, acontecera o Dia D de mobilização, quando os mais de 36 mil postos de vacinação no país estarão abertos ofertando as vacinas. Esse tipo de campanha que inclui o reforço da dose acontece de quatro em quatro anos. Esse ano,no entanto, a campanha é ainda mais importante dada à volta da circulação do sarampo no território nacional e a ameaça da poliomielite. O Brasil tem 822 casos confirmados de sarampo em 2018. Já em relação a paralisia infantil, trata-se de uma precaução.Não há casos de paralisia no Brasil.O pais erradicou a poliomielite do território em 1994; o certificado de eliminação do sarampo havia sido alcançado em 2016.

Vacinação, uma obrigação importante 

MEDICAMENTO GENÉRICO

Há 18 anos, os primeiro medicamento genérico foi registrado no Brasil. Um levantamento da ANVISA mostra que os medicamentos genéricos em comercialização tem alto índice de aprovação em analises para atestar a qualidade e segurança dos produtos. Durante os testes, são verificados aspectos físico-químicos dos produtos. As analises feitas nos medicamentos podem variar de acordo com a forma farmacêutica e as características do produto. As mais comuns são: analise de dosagem do principio ativo, variação de peso, uniformidade de dose, analise de aspecto e da rotulagem, bem como sua dissolução no organismo. O numero de novos registros de medicamentos genéricos no Brasil passou de 146, em 2014, para 336, em 2017 que representou um aumento de 130% em apenas quatro anos. No total, houve um total de 1830 solicitações de registro deste tipo de produto, das quais 1229 estavam de acordo com as exigências legais.

 

Genérico:


É aquele que contem o mesmo principio ativo, na mesma dose e forma farmacêutica, é administrado pela mesma via e com a mesma posologia e indicação terapêutica do medicamento de referência, apresentando eficácia e segurança equivalentes à do medicamento original.

O mercado nacional de genéricos teve um aumento importante nos últimos anos em função da qualidade dos produtos, ao preço e à confiança da população nesses medicamentos.

A entrada de genéricos no mercado brasileiro fez cair o preço de medicamentos e contribuiu para ampliar o acesso da população a produtos seguros e eficazes, o que exigiu o aprimoramento da regulação e fiscalização.

Atualmente o consumidor brasileiro conta com 6.300 produtos diferentes no mercado de medicamentos. Considerando o volume de produtos sintéticos comercializados no Brasil, há predominância de genéricos e similares (genéricos de marca),chegando a um percentual de 75,7% em 2016.

 

Leia também:

Alisantes de cabelo, perigos e orientações

Suspensos 79 lotes da fralda Turma da Mônica.

 

 

 

Medicamento Genérico:

Conceitos e definições de medicamentos

  • Insumo farmacêutico ativo:

-também denominado fármaco ou simplesmente principio ativo, é o componente farmacologicamente ativo destinado ao emprego em medicamentos.

  • Medicamento biológico:

-os medicamentos biológicos são moléculas complexas de alto peso molecular obtidas a partir de fluidos biológicos, tecidos de origem animal ou procedimentos biotecnológicos por meio de manipulação ou inserção de outro material genético ou alteração dos genes que ocorre devido á irradiação, produtos químicos ou seleção forçada. Atualmente, a legislação de registro de medicamentos biológicos abrange sete categorias de produtos.

  • Medicamento especifico:

-são considerados medicamentos específicos os produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborado, com finalidade profilática ou paliativa não enquadrados nas categorias de medicamento novo, genérico, similar, biológico, fototerápico ou notificado e cuja substância ativa, independente da natureza ou origem, não é passível de ensaio de bioequivalencia, frente a um produto comparador.

  • Medicamento fitoterápico:

– são aqueles obtidos com emprego exclusivo de matérias-primas ativas vegetais. Não se considera medicamento fitoterápico aquele que inclui na sua composição substancias ativas isoladas, sintéticas ou naturais, nem as associadas dessas com extratos vegetais.

  • Medicamento genérico:

-é aquele que contem o mesmo principio ativo, na mesma dose e forma farmacêutica, é administrado pela mesma via e com a mesma posologia e indicação terapêutica do medicamento de referência, apresentando eficácia e segurança equivalentes à do medicamento de referência podendo, com este, ser intercambiável.

  • Medicamento novo:

-o termo “medicamento novo”, sem outra adjetivação, é, na pratica, utilizado para se referir a medicamentos novos com princípios ativos sintéticos e semi-sintéticos, associados ou não.

  • Medicamento de referência:

-é um produto inovador, registrado no órgão federal responsável pela vigilância sanitária e comercializado no País cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovados cientificamente junto ao órgão federal competente por ocasião do registro, conforme a legislação. A empresa interessada em registrar medicamentos genéricos ou similares devera utilizar obrigatoriamente o medicamento de referência constante da relação aprovada pelo órgão de fiscalização.

  • Vacinas:

-produtos biológicos que contem uma ou mais substancias antigênicas que,quando inoculados,são capazes de induzir imunidade especifica ativa e proteger contra a doença causada pelo agente infeccioso que originou o antígeno.