Sustentabilidade – Lideranças

Sustentabilidade – Lideranças

A sustentabilidade é uma necessidade para o sucesso do negócio Lideranças nas empresas precisam entender e praticarem o modelo sustentável.  

Remuneração de líderes precisa de elo com sustentabilidade  

Sustentabilidade não pode ser uma área isolada dentro da empresa, ou seja, ela tem que ser central na estratégia dos negócios, não pode ser uma área isolada, para fazer algumas doações durante o ano e achar que resolveu o problema,  

Tem que estar presente em discussões com conselhos, com time de liderança,em outras palavras, tem que fazer parte até do ponto de vista de como remunerar seus executivos.  

O resultado de uma pesquisa global feita pelas Nações Unidas que mapeou 55 executivos de grandes empresas com atuação modelo em sustentabilidade mostrou, certamente,  ser possível definir uma serie de padrões na atuação destes profissionais. 

Sustentabilidade – Lideranças

 Chegou-se a algumas características em comuns:  

Todos têm uma mentalidade sustentável, mas isso não é suficiente. Ou seja, são líderes inclusivos que incluem os stakeholders na mesa para tomada de decisão; trazem pontos de vista diferentes, são inovadores e disruptivos. 

Portanto, a ideia foi traçar o perfil e as habilidades desses CEOs e membros de conselho para acelerar o desenvolvimento de novas lideranças sustentáveis.  

Caminho para sustentabilidade nos negócios  

O estudo publicado pelo Pacto Global e a Russell Reynolds traz, acima de tudo, ser necessário que as empresas atuem em quatro medidas para a inclusão real da sustentabilidade no negocio. 

São elas: seleção de seus lideres, planejamento sucessório da organização, forma de remunerar com metas claras e desenvolvimento de talentos.  

Sustentabilidade – Lideranças

Algumas empresas já trabalham com bônus do resultado financeiro para os executivos usando na composição atributos de sustentabilidade, diversidade e inclusão.  

Outras empresas trabalham com um multiplicador e deflator no bônus, ou seja, avaliam-se as pessoas pela adesão aos valores, que pode ser quebrado em comportamentos.

Como resultado, pode multiplicar o bônus em 1,2x ou as piores notas nesses valores é um deflator. Sente no bolso se está mais ou menos aderente aos valores da sustentabilidade.  

Demissões acontecem por não adesão aos valores da sustentabilidade.  

Um exemplo: 

No serviço público existe uma barreira contra a compra sustentável, certamente, pela falta de engajamento dos servidores. 

Em uma avaliação de gestores e analistas de sustentabilidade de cerca de 50 organizações públicas e empresarias no Brasil, boa parte deles já envolvidas em fóruns de sustentabilidade, destacam alguns tipos de entraves: informal, financeiro e estrutural/gerencial.  

A primeira barreira remete ao grau de familiaridade dos profissionais da área de compras com as políticas de sustentabilidade. 

 Esse ponto foi relevante para 11 organizações públicas e 8 privadas,que alegaram a falta tanto de profissionais qualificados como da capacitação dos atores envolvidos no processo de compras.  

Falta de profissionais qualificados ou envolvidos com os princípios da sustentabilidade.  

Após a pandemia, aumenta a importância de trabalhar por um mundo mais sustentável e menos desigual e aumenta a necessidade de lideranças preparadas e comprometidas com a sustentabilidade.  

 

Sustentabilidade – Lideranças 

Fontes: www.comprasustentavel.com.br 

www.uol.com.br/ecoa 

Mercado Livre lança categoria para produtos sustentáveis

Mercado Livre lança categoria para produtos sustentáveis

Nova categoria no site de comércio eletrônico vai reunir produtos que se propõem a ter impacto ambiental e social positivo.

Mercado Livre lança categoria para produtos sustentáveis

O Mercado Livre lançou oficialmente, no dia 21 de agosto, uma categoria permanente de produtos sustentáveis em sua plataforma. Composta por itens que geram algum tipo de impacto positivo para a sociedade ou para o planeta, a oferta vai desde alimentos e produtos de beleza orgânicos, utensílios domésticos,  artigos reutilizáveis, artesanato até bicicletas, placas solares e composteiras.

A seção, que reúne mais de 5000 produtos no Brasil também estará disponível em outros países onde o Mercado Livre atua: Argentina, Chile, Colômbia, México, Peru, Uruguai e Venezuela. A proposta reforça o posicionamento de sustentabilidade da companhia e vai de encontro com as tendências crescentes relacionadas à importância de aspectos ambientais e sociais nas decisões de consumo.

Um estudo realizado pela empresa com 18 mil compradores no Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, México, Peru e Uruguai revelou que 94% dos entrevistados expressam estar familiarizados com o conceito de “consumo responsável”. Os brasileiros estão entre os menos familiarizados com o tema, são 89%. Enquanto os mexicanos são os que estão mais por dentro do assunto: 96%. Com relação à preocupação com questões ambientais, 7 em cada 10 latino-americanos disseram estar “muito preocupados” com a atual situação do planeta.

O estudo mostrou também que a preocupação com considerações ambientais e sociais na hora de escolher um produto online é mais acentuada entre os millenials (20% dos entrevistados) e é mais perceptível nas pessoas que têm filhos (73% da amostra). Além, disso, 9 de 10 millennials latino-americanos levam em conta o impacto ambiental em decisões de compra.

Além das questões relacionadas à demanda, a pesquisa buscou entender a percepção dos participantes em relação a oferta desses produtos no mercado e apenas 11% das pessoas pesquisadas disseram que sempre encontram o que estão procurando nesse sentido.

Os empreendedores e lojistas interessados em ter seus produtos na seção de sustentabilidade podem se inscrever neste link. Para participar é necessário que os itens ofertados gerem impactos socioambientais positivos e estejam publicados no Mercado Livre. Todos os produtos passam por uma curadoria especializada antes de serem incluídos na seção.

Mercado Livre lança categoria para produtos sustentáveis

Leia também:

Mercado Livre lança categoria para produtos sustentáveis

Hábitos de consumo, decisões de compra e frequência em números

  • Em relação à frequência de compra de produtos que cuidam da saúde ou do meio ambiente, 66% das pessoas pesquisadas pela pesquisa da empresa declaram fazê-lo pelo menos uma vez por semana.
  • Quando questionados sobre as principais razões para comprar produtos com impacto positivo, mais da metade dos entrevistados em todos os países os correlaciona diretamente com sua boa qualidade. Preocupações sobre o futuro e o bem-estar das próximas gerações também estão entre os motivos mais comuns destacados em toda a região.
  • Apenas 26% dos entrevistados afirmam que estão dispostos a pagar mais por produtos que consideram ter um impacto positivo, mas metade optaria por essa versão se o preço fosse o mesmo.
  • Foram identificados quatro hábitos principais para cuidar do meio ambiente entre os millenials:

a) 22% apagam as luzes quando saem de um ambiente;

b) 16% evitam sacolas plásticas ao fazerem compras;

c) 13% reparam produtos danificados ou quebrados;

d) 9% compram produtos reciclados.

 

Fonte:

https://ideias.mercadolivre.com.br/ 

 

Mudanças climáticas

Mudanças climáticas são a principal preocupação para 41% dos jovens em 22 países, diz pesquisa.

A pesquisa da Anistia Internacional, divulgada dia 10 de dezembro para marcar o Dia Internacional dos Direitos Humanos, mostrou a mudança climática como a questão mais importante do nosso tempo, para jovens de 18 a 25 anos em 22 países, incluindo o Brasil.

A pesquisa Futuro da Humanidade, realizada pela Ipsos MORI foi lançada ao mesmo tempo em que ocorre a 25ª Conferencia do Clima da ONU, em Madri.

O que é Aquecimento Global?

Aquecimento global é o aumento da temperatura media dos oceanos e da camada de ar próxima à superfície da Terra que pode ser consequência das causas naturais e atividades humanas.Isto se deve principalmente ao aumento das emissões de gases na atmosfera que causam o efeito estufa,principalmente o dióxido de carbono-CO2.

O que é Efeito Estufa?

O Efeito estufa corresponde a uma camada de gases que cobre a superfície da terra, essa camada composta principalmente por gás carbônico (CO2), metano (CH4), N2O(oxido nitroso) e vapor de água, é um fenômeno natural fundamental para a manutenção da vida na Terra, pois sem ela o planeta poderia se tornar muito frio,inviabilizando a sobrevivência de diversas espécies.

Normalmente parte da radiação solar que chega ao nosso planeta é refletida e retorna diretamente para o espaço, outra parte é absorvida pelos oceanos e pela superfície terrestre e uma parte é retida por esta camada de gases que causa o chamado efeito estufa.

O problema não é o fenômeno natural, mas o agravamento dele.

Como muitas atividades humanas emitem uma grande quantidade de gases formadores do efeito estufa (GEEs), esta camada tem ficado cada vez mais espessa, retendo mais calor na Terra, aumentando o aquecimento global.

Leia também:

Mudanças climáticas

Quais as principais consequências do aquecimento?

São varias as consequências do aquecimento global e algumas delas já podem ser sentidas em diferentes partes do planeta. Os cientistas já observam que o aumento da temperatura media do planeta tem elevado o nível do mar devido o derretimento das calotas polares, podendo ocasionar o desaparecimento de ilhas e cidades litorâneas densamente povoadas.

E há previsão de uma frequência maior de eventos extremos climáticos:

Mudanças climáticas

  • tempestades tropicais;
  • inundações;
  • ondas de calor;
  • secas;
  • nevascas;
  • furacões;
  • tornados;
  • tsunamis.

 

Quais as principais atividades humanas que causam o aquecimento?

Entre as principais atividades humanas que causam o aquecimento global e consequentemente as mudanças climáticas, estão à queima de combustíveis fósseis (derivados do petróleo, carvão mineral e gás natural) para geração de energia, atividades industriais e transportes, conversão do uso do solo, agropecuária, descarte de resíduos sólidos (lixo) e desmatamento. Todas estas atividades emitem grande quantidade de CO2 e de gases formadores do efeito estufa.

Quais são os principais gases de efeito estufa?

Os principais gases de efeito estufa são o dióxido de carbono (CO2), o metano e o oxido nitroso. O CO2 é o gás que tem maior contribuição para o aquecimento global, pois representa mais de 70% das emissões de GEE e o seu tempo de permanência é de no mínimo cem anos, resultando em impactos no clima ao longo de séculos.

O que podemos fazer para combater o aquecimento?

Existem varias maneiras de reduzir as emissões dos gases de efeito estufa e os efeitos no aquecimento global. Diminuir o desmatamento, investir no reflorestamento e na conservação de áreas naturais, incentivar o uso de energias renováveis não convencionas (solar, eólica, biomassa e Pequenas Centrais Hidrelétricas), preferir utilizar biocombustíveis (etanol, biodiesel), investir na redução de consumo de energia e na eficiência energética, reduzir, reaproveitar e reciclar  materiais, investir em tecnologias de baixo carbono, melhorar o transporte publico com baixa emissão de GEE, são algumas das possibilidades.

E estas medidas podem ser estabelecidas através de políticas nacionais e internacionais de clima.

Fontes:

www.comprasustentavel.com.br
www.wwf.org.br

Reciclagem Óleo de Cozinha

Reciclagem Óleo de Cozinha

Todo mundo sabe, ou deveria saber, que o óleo comestível, possui reciclagem.
Todo mundo sabe, mas ainda restam muitas duvidas!

 

Como descartá-lo, por que não podemos joga-lo na pia, no tanque ou nos bueiros?
Quais os tipos de óleo de cozinha?
O que podemos fazer com o óleo usado?
Como armazena-lo?

Os óleos são formados por substancias insolúveis em água. Não existe muita diferença entre óleo e gordura. A única que existe, de acordo com a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), tem relação com a temperatura: a 25ºC o óleo vegetal é liquido e a gordura é solida.
A classificação entre óleo virgem, extra virgem (azeite de oliva, óleo de coco) e óleo bruto (soja, milho, girassol) esta relacionada aos processos de extração e de purificação desses óleos vegetais. Os óleos extras virgens ou virgens apenas necessitam de uma filtragem para retirar partículas solidas após o processo de prensagem que retira o óleo da semente, fruta ou folha, já o óleo bruto é extraído por meio de um solvente e passa por muitas outras fases para ficar pronto.
Os óleos e gorduras de origem animal podem ser obtidos por meio de trituração, altas temperaturas e pressão.
As gorduras vegetais hidrogenadas são obtidas por meio de processos de hidrogenação para aumentar seus prazos de validade.
Todos os tipos de óleo apresentados não podem ter como destino pias, tanques, bueiros, ralos ou guias da calçada porque impactam negativamente o encanamento das residências e também poluem a água ,alem de contribuírem para morte de seres vivos.
Quando o esgoto sem tratamento chega a um rio,o óleo de cozinha misturado ao esgoto irá poluir esse corpo hídrico,porem isso depende da carga de esgoto que o rio suporta.

O Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) apresenta uma resolução que estabelece limites para lançamento de óleos vegetais e gorduras animais em corpos hídricos receptores de esgoto de até 50 miligramas por litro, sendo que a partir deste valor, o óleo de fritura polui mais 25 mil litros de água,o que já é um valor bem alto.

 

Leia também:

Reciclagem Óleo de Cozinha

O que fazer com óleo de cozinha?

Após utilizar o óleo de fritura, você pode armazena-lo em uma garrafa PET. Utilize um funil para facilitar a entrada do óleo na garrafa. Conforme for utilizando o óleo, vá armazenando desse modo e lembre-se de sempre fechar bem as garrafas para evitar vazamentos, mantendo também fora do alcance de crianças e animais de estimação que podem ser atraídos pelo cheiro do óleo. Após preencher algumas garrafas PETs ,procure empresas e ONGs especializada neste tipo de coleta seletiva,assim como postos de entrega voluntaria para descartar o seu óleo de forma correta.
Lembre-se que 50mg de óleo de cozinha provocam a poluição de mais de 25 mil litros de água.
O óleo descartado corretamente é utilizado para a produção de biodiesel, sabão, tintas a óleo, massa de vidraceiro e outros produtos.
Isso preserva meteria-prima, incentiva à reciclagem e evita que mais óleos sejam descartados de maneira incorreta.
Descarte corretamente o óleo de cozinha e colabore com a preservação do ecossistema.

# a sustentabilidade agradece.

Reciclagem Óleo de Cozinha

 

COLABORE com o PROJETO ÓLEO VALE

 

Cooperativa São Vicente:

Reciclagem Óleo de Cozinha

Com o apoio da Paróquia São Vicente de Paulo foi criada em 1999 como gesto concreto da Campanha da Fraternidade, que tinha como tema “sem trabalho, por quê?”
O projeto ÓLEO VALE faz a coleta do óleo a ser reciclado em bares, restaurantes, estabelecimentos comerciais, residências e industria da região do Vale do Paraíba. A Cooperativa de Reciclagem São Vicente é hoje responsável por contemplar um dever e um direito de todo ser humano: o respeito ao meio ambiente e a dignidade do trabalho.
Para seguir adiante, o projeto conta com o apoio da sociedade. Ajude alcançar a meta!
Doe seu óleo de cozinha usado.

 

Saiba mais:

Telefone: 3431-1702
email: cooperativasv@gmail.com

Reciclagem Óleo de Cozinha

Fontes: www.comprasustentavel.com.br
www.ecycle.com.br

Escolas Sustentáveis

Escolas Sustentáveis

As escolas sustentáveis estão dando um ótimo exemplo às crianças e adolescentes,
fomentando a construção de uma consciência ambiental desde cedo.

O que são escolas sustentáveis?

Uma escola sustentável é basicamente, um projeto que leva os fundamentos da educação sustentável para todas as esferas da organização desde a didática até às suas instalações.

A ideia é promover o principio de que o ser humano deve obter no presente o que necessita do meio ambiente sem comprometer a estrutura para que as futuras gerações possam fazer o mesmo.
Ecologicamente correta, economicamente viável, socialmente justa e culturalmente diversa. Este pode ser o lema de uma escola sustentável.
De acordo com a Lei nº 9.795/99,a educação ambiental envolve a promoção de processos pedagógicos que favoreçam a construção de valores sociais,conhecimentos,habilidades e atitudes voltadas para a conquista da sustentabilidade socioambiental e a melhoria da qualidade de vida.
Escolas sustentáveis são definidas como aquelas que mantêm relação equilibrada com o meio ambiente e compensam seus impactos com o desenvolvimento de tecnologias apropriadas, de modo a garantir qualidade de vida às presentes e futuras gerações. Esses espaços têm a intencionalidade de educar pelo exemplo e irradiar sua influência para as comunidades nas quais se situam.

A sustentabilidade nas escolas é promovida a partir de três dimensões inter-relacionadas:

  • Espaço físico
  • Gestão
  • Currículo

Espaço físico: utilização de materiais construtivos mais adaptados às condições locais e de um desenho arquitetônico que permita a criação de edificações dotadas de conforto térmico e acústico, que garantam acessibilidade, gestão eficiente de água e da energia, saneamento e destinação adequada de resíduos.

Locais com áreas que propiciam à convivência da comunidade escolar, estimulem a segurança alimentar e nutricional, favoreçam a mobilidade sustentável e respeitem o patrimônio cultural e os ecossistemas locais

Gestão: compartilhamento do planejamento e das decisões que dizem respeito ao destino e a rotina da escola, buscando aprofundar o contato entre a comunidade escolar e o seu conjunto maior, respeitando os direitos humanos e valorizando a diversidade cultural, étnico-racial e de gênero existente.

Currículo: inclusão de conhecimentos, saberes e praticas sustentáveis no Projeto Politico-Pedagogico das instituições de ensino e em seu cotidiano a partir de uma abordagem que seja contextualizada na realidade local e estabeleça nexos e vínculos com a sociedade global.

Leia também:

Escolas Sustentáveis

EXEMPLOS:

1.Green School em Bali:
Uma escola construída na sua maioria com Bambu que é abundante em Bali.
Essa escola é alimentada por fontes de energias renováveis como a energia fotovoltaica e o biodiesel, contando também com uma microhidreletrica
na propriedade. A água utilizada é reciclada na sua totalidade e contam com jardins e hortas alem de partes em barro para as crianças brincarem. O contato com animais soltos também é constante no local

2. Colégio Fazer Crescer, em Recife:
O prédio reaproveita água da chuva, do ar condicionado, torneiras e chuveiros para a limpeza, manutenção do jardim e reuso. Possui um sistema de breezes que permitem a circulação do ar e iluminação natural.
Alem disso, conta também com iluminação de LED e gera energia elétrica por meio de painéis solares.
Passeios ciclísticos, alternativas para melhorar a mobilidade, plantação de mudas e horta orgânica também fazem parte da agenda do colégio.

3.Creche sustentável em Florianópolis:
A madeira utilizada na construção é certificada pelo Forest Stewarship Council(FSC),que promove o manejo florestal.
A construção seguiu os critérios para a obtenção da certificação LEED.
A utilização da energia fotovoltaica.
Aquecimento solar apara a água.
Aproveitamento da água da chuva, paisagismo sustentável, telhado verde, horta, iluminação natural e conforto térmico.

OUTROS ITENS

  • Substituição dos telhados de amianto por telhas de fibras naturais.
  • Cisterna para captação de água da chuva.
  • Viveiro de plantas.
  • Filtro biológico de água servida das pias e lavatórios.
  • Calçada verde
  • Espiral de ervas e plantas medicinais.
  • Bicicletario
  • Claraboia para a iluminação e ventilação natural.
  • Pintura de paredes utilizando tinta de terra.
  • Conjunto de lixeiras para a coleta seletiva.
  • Coletor para pilhas e baterias.
  • Conjunto de aeradores para torneiras.
  • Redução de consumo de água-equipamentos economizador.
  • Eficiência energética-iluminação-ar condicionado.
  • Equipamentos eletromecanicos-motores,elevadores

Escolas Sustentáveis

Escolas Sustentáveis

Fontes: www.comprasustentavel.com.br
www.ministeriodaeducação.gov.br
www.atpsolar.com.br

BENCHMARKING – CRESCER

BENCHMARKING – CRESCER

Crescer com sustentabilidade.

A empresa que se preocupa com a sustentabilidade é aquela que cuida do planeta,se preocupa com a comunidade,com o meio ambiente e é sempre louvável aos olhos do publico.

O que é benchmarking?

BENCHMARKING - CRESCER

O benchmarking é uma das mais relevantes estratégias para aumentar a eficiência e eficácia de uma empresa. Em tradução livre, pode ser traduzido como “ponto de referencia”.
Trata-se de um minucioso processo de pesquisa que permite aos gestores compararem produtos, praticas empresariais, serviços ou metodologias usadas pelos rivais, absorvendo algumas características para alçarem um nível de superioridade gerencial ou operacional.
É importante ressaltar que não se trata de uma simples imitação, mas da capacidade em enxergar as melhores praticas e adequá-las às peculiaridades de sua empresa.
O benchmarking desafia as empresas a pensarem além de suas limitações, a buscarem fatores-chaves que aumentem a sua competitividade.

 

Quais são os tipos de benchmarking?

Benchmarking interno: busca pelas melhores praticas adotadas dentro da própria empresa (filial-modelo,departamentos que desenvolvem metodologias inovadoras)

Benchmarking competitivo: nesse formato, o foco é a analise minuciosa das praticas da concorrência, visando superá-las. É difícil de ser efetuada, tendo em vista que as empresas não costumam “vazar” seus segredos tão facilmente aos rivais.

Benchmarking funcional: nesse caso, o que é comparado é o processo de trabalho entre as organizações, ainda que a comparação esteja sendo feita com organizações de segmentos diferentes.

Benchmarking de cooperação: duas empresas estabelecem uma parceria, compartilhando informações de seus processos. Também ocorre quando uma empresa “modelo” abre as portas de alguns processos para o aprendizado de outra. Isso pode ocorrer quando duas companhias têm distintos pontos de excelência ou quando uma dela permite o conhecimento de outra por razão de prestigio, notoriedade, etc.

 

Quais são as etapas da implementação do benchmarking?

  1. Analise interna: avaliação minuciosa dos processos internos e praticas
  2. Identificar as empresa de “excelência”: pesquisa inicial para conhecer os grandes players do mercado
  3. Definir métodos e estratégias para captura de dados: como o segredo dessas grandes empresas e chegar até a sua organização. Parcerias e convênios podem ser algumas das saídas.
  4. Analise de mercado: conhecer as melhores praticas da concorrência dentro do que precisa ser melhorado.
  5. Identificação de lacunas de desempenho: etapa de comparação, propriamente dita.
  6. Projeção de níveis de desempenho futuro para fechamento das lacunas
  7. Implementação de ações especificas de adaptação
  8. Retroação: reavaliação continua, sempre tomando por base os melhores do momento.
Leia também:

BENCHMARKING – CRESCER

Quais são as vantagens e desvantagens de se fazer benchmarking?

VANTAGENS:
Melhorar o conhecimento que a organização tem de si mesma.
Aprimorar seus processos e praticas para chegar o mais próximo possível da perfeição.
Motivar sua equipe para alcançar objetivos realizáveis, já atingidos por outra empresa.
Ganhar maior conhecimento d o mercado.
Aprender com os campeões.
Buscar redução de custos, aumento na produtividade e ampliação na margem de lucro, etc.

DESVANTAGENS:
Deve-se tomar cuidado para adequar as metodologias e praticas observadas ao contexto da empresa. Somente transpor (copiar) sistemas, pura e simplesmente, com certeza conduzira a empresa a resultados nulos.
Benchmarking interno possui campo de visão limitado. Um eventual excesso de foco na concorrência pode fazer a empresa perder sua própria identidade. Deve-se ter, portanto, o cuidado de adaptar o que for melhor, sem perder suas características mais marcantes.
No Japão, utiliza-se com frequência uma palavra no meio corporativo, chamada “dantotsu”, que significa algo como:
— “lutar para se tornar o melhor”.

Benchmarking é isso:

É encontrar os pontos mais fortes dos melhores do seu segmento, buscando supera-lo no dia a dia. É enxergar as falhas de seus rivais e entender porque elas ocorrem, aprendendo com os erros alheios.
É um profundo processo de inflexão focado na inovação incremental e continua, em todos os ambitos da empresa, com o objetivo de atingir a excelência integral na organização.

 

BENCHMARKING – CRESCER

Fontes: www.endeavor.org.br
www.comprasustentavel.com.br

Agricultura Orgânica

Agricultura Orgânica

Agricultura orgânica é expressão frequentemente usada para designar sistema sustentável de agricultura.

Agricultura Orgânica

Agricultura orgânica é expressão usada para designar sistema sustentável de agricultura que não permite o uso de produtos químicos sintéticos prejudiciais para a saúde humana e para o meio ambiente, tais como alguns tipos variados de fertilizantes e agrotóxicos, nem de organismos geneticamente modificados.

Os seus proponentes acreditam que, num solo saudável, mantido sem o uso de fertilizantes químicos sintéticos e agrotóxicos nãoorganicos, os alimentos tem qualidade superior à de alimentos convencionais.

Diversos países, como os Estados Unidos, o Japão, a União Europeia, a Austrália e o Brasil, já adotaram programas padrões para a regularização e desenvolvimento desta atividade.

Este sistema de produção, que exclui o uso de fertilizantes sintéticos, agrotóxicos nãoorgânicos e produtos reguladores de crescimento, têm, como base:

  • o uso de fertilizantes naturais.
  • a manutenção do solo protegido do sol e das gotas de chuva.
  • a rotação de culturas.
  • o aumento da biodiversidade.
  • consorciação de culturas.
  • adubação verde.
  • compostagem.
  • controle biológico de insetos e doenças.

Pressupõe, ainda, a manutenção da estrutura e da profundidade do solo, sem alterar suas propriedades por meio do uso de produtos químicos sintéticos.

 

CARACTERÍSTICAS

O principio da produção orgânica é o estabelecimento do equilíbrio da natureza utilizando métodos naturais de adubação e de controle de pragas.

O conceito de alimentos orgânicos não se limita à produção agrícola, estendendose também à pecuária (em que o gado deve ser criado sem remédios alopáticos ou hormônios), bem como ao processamento de todos os seus produtos: alimentos orgânicos industrializados também devem ser produzidos sem produtos químicos artificiais, como corantes e aromatizantes artificiais.

A cultura de produtos orgânicos não se limita a alimentos. Há uma tendência de crescimento no mercado de produtos orgânicos não alimentares, como fibras orgânicas de algodão.

 

Diferenças nutricionais entre alimento convencional e orgânico

Agricultura Orgânica

Os movimentos relacionados tanto a produção quanto ao consumo de alimentos orgânicos alegam como uma das vantagens o fato de terem diferenças nutricionais significativas em sua composição quando comparados com alimentos oriundos de sistemas convencionais. Desde então, varias pesquisas cientificas foram feitas com o objetivo de avaliar a ocorrência dessas diferenças. Em geral, são relatados aumentos na composição nutricional de alimentos orgânicos, especialmente na quantidade de micronutrientes, vitaminas e compostos bioativos.

 

Diferenças econômicas entre alimento convencional e orgânico

Produtos orgânicos oferecem maior garantia para o consumidor quando se trata de saúde e origem do que esta sendo consumido,levando a uma preferência no consumo,alem da sustentabilidade no quesito ambiental,social e ético proporcionada pela pratica da agricultura orgânica.Portanto, na esfera socioeconômica,eles acabam apresentando um maior valor quando comparados a alimentos convencionais . Porem eles apresentam preços superiores e não são competitivos com a agricultura convencional para a produção de alimentos em massa.

#Fazse necessária uma regulamentação da atividade orgânica no Brasil, junto a um incentivo da produção orgânica, com legislação que apoie esses produtores, possibilitando uma competitividade maior com a agricultura convencional de produção de alimentos em massa.

 

Leia também:

Agricultura Orgânica

Resíduos de agrotóxicos

Políticas no Brasil, com foco em exportação de commodities agrícolas, fez do país um dos maiores consumidores de agrotóxicos no mundo. O uso crescente de agrotóxicos sob controle pouco rígido e eficaz, desprotege a população de seus efeitos nocivos, sobretudo aqueles que se encontram em maior risco de contaminação, como trabalhadores e moradores de zonas rurais.

A função dos agrotóxicos na agricultura convencional é possibilitar a grande produção, evitando pragas e doenças nas plantações. Aplicação indiscriminada leva à contaminação dos solos e dos recursos hídricos. Alem da degradação ambiental, os alimentos em contato com esses produtos químicos podem apresentar algum grau de contaminação.

O consumo de alimentos contaminados é prejudicial à saúde

 

CERTIFICAÇÃO

Agricultura Orgânica

A certificação de orgânicos é um tema novo no Brasil e há indícios de que uma maior transparência no processo de certificação e maiores dados ao consumidor final poderão aumentar o mercado dos orgânicos no país. Atualmente a certificação dos orgânicos no Brasil é controlada pelo Ministério da Agricultura através do SISORG. Para pertencer ao Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos, existem três formas de certificação, são elas:

 

  • Certificação por Auditoria
  • Sistema Participativo de Garantia
  • Controle Social na Venda Direta.

A qualidade do produto esta relacionada não só com seu aspecto visual, mas com a reputação do produtor e da certificação.

 

Agricultura Orgânica

Fontes: wikipédia.org

: comprasustentavel.com.br

: aao.org.br